Discover millions of ebooks, audiobooks, and so much more with a free trial

Only $11.99/month after trial. Cancel anytime.

Inteligência Ambiental: Iluminando os espaços escuros e acelerando os avanços na inteligência geral artificial
Inteligência Geral Artificial: As máquinas podem eventualmente ser tão inteligentes quanto os humanos, e possivelmente ainda mais inteligentes, mas o jogo ainda está longe de terminar
Cérebro Artificial: Dando aos robôs a inteligência para tarefas complexas
Ebook series30 titles

Tecnologias Emergentes Em Tecnologia Da Informação E Comunicação [Portuguese]

Rating: 0 out of 5 stars

()

About this series

O que são máquinas inteligentes


Um dispositivo inteligente é um dispositivo eletrônico geralmente conectado a outros dispositivos ou redes por meio de vários protocolos sem fio, como Bluetooth, Zigbee, NFC, Wi -Fi, LiFi, 5G, etc., e que podem operar de forma interativa e autônoma até certo ponto. Dispositivos inteligentes também podem se comunicar com outros dispositivos ou redes. Os termos "smartphone", "automóvel inteligente", "termostato inteligente", "campainha inteligente", "fechaduras inteligentes", "geladeira inteligente", "phablets" e "tablets", "relógios inteligentes", "bandas inteligentes", " chaveiros" e "óculos inteligentes" são apenas alguns exemplos dos muitos tipos diferentes de gadgets "inteligentes". A frase também pode ser usada para se referir a um dispositivo que demonstra certas características da computação ubíqua, como aprendizado de máquina (embora isso nem sempre seja o caso), por exemplo.


Como você se beneficiará


(I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos:


Capítulo 1: Dispositivo inteligente


Capítulo 2: Computação ubíqua


Capítulo 3: Sistema incorporado


Capítulo 4: Sistema de transporte inteligente


Capítulo 5: Conscientização do contexto


Capítulo 6: Dispositivo de informações


Capítulo 7: Computação móvel


Capítulo 8: Dispositivo móvel


Capítulo 9: Ambiente inteligente


Capítulo 10: Marketing de proximidade


Capítulo 11: Objeto inteligente


Capítulo 12: Sistema ciberfísico


Capítulo 13: Detecção capacitiva


Capítulo 14: Interface de usuário orgânica


Capítulo 15: Interação móvel


Capítulo 16: Computação urbana


Capítulo 17: Escritório de telecooperação


Capítulo 18: Segurança móvel


Capítulo 19: Rua inteligente


Capítulo 20: Ataque de manchas


Capítulo 21: Laboratório de mídia humana


(II) Respondendo às principais perguntas do público sobre máquinas inteligentes.


(III) ) Exemplos do mundo real para o uso de máquinas inteligentes em muitos campos.


(IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de máquinas inteligentes.


Para quem é este livro


Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de máquinas inteligentes.

LanguagePortuguês
Release dateNov 17, 2022
Inteligência Ambiental: Iluminando os espaços escuros e acelerando os avanços na inteligência geral artificial
Inteligência Geral Artificial: As máquinas podem eventualmente ser tão inteligentes quanto os humanos, e possivelmente ainda mais inteligentes, mas o jogo ainda está longe de terminar
Cérebro Artificial: Dando aos robôs a inteligência para tarefas complexas

Titles in the series (30)

  • Cérebro Artificial: Dando aos robôs a inteligência para tarefas complexas

    3

    Cérebro Artificial: Dando aos robôs a inteligência para tarefas complexas
    Cérebro Artificial: Dando aos robôs a inteligência para tarefas complexas

    O que é cérebro artificial Um cérebro artificial é uma combinação de software e hardware de computador que possui capacidades cognitivas análogas às de um cérebro humano ou animal. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Cérebro artificial Capítulo 2: Inteligência artificial Capítulo 3: Sala chinesa Capítulo 4: Singularidade tecnológica Capítulo 5: A Era das Máquinas Espirituais Capítulo 6: carregamento mental Capítulo 7: Computação de inspiração biológica Capítulo 8: Engenharia neuromórfica Capítulo 9: Inteligência geral artificial Capítulo 10: A singularidade está próxima Capítulo 11: Rede neural Capítulo 12: Sistema de símbolos físicos Capítulo 13: Filosofia da inteligência artificial Capítulo 14: Neuroinformática Capítulo 15: Resumo da inteligência artificial Capítulo 16: a visão de Hubert Dreyfus sobre inteligência artificial Capítulo 17: Simulação cerebral Capítulo 18: Como criar uma mente Capítulo 19: Computador cognitivo Capítulo 20: Tecnologia hipotética Capítulo 21: A Aposta de Turing (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre cérebro artificial. (III) Exemplos do mundo real para o uso de cérebro artificial em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias do cérebro artificial. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de cérebro artificial.

  • Inteligência Ambiental: Iluminando os espaços escuros e acelerando os avanços na inteligência geral artificial

    2

    Inteligência Ambiental: Iluminando os espaços escuros e acelerando os avanços na inteligência geral artificial
    Inteligência Ambiental: Iluminando os espaços escuros e acelerando os avanços na inteligência geral artificial

    O que é inteligência ambiente O termo "inteligência ambiente" (AmI) vem do campo de computadores e se refere a configurações eletrônicas que estão cientes e responsivas à presença de humanos. Eli Zelkha e sua equipe da Palo Alto Ventures desenvolveram o conceito de inteligência ambiental no final da década de 1990 para o período de 2010-2020 como uma projeção sobre o futuro da eletrônica de consumo, telecomunicações e computação. Este conceito foi originalmente desenvolvido para o período de 2010-2020. Por meio do uso de informações e inteligências ocultas na rede que conecta esses dispositivos, a inteligência ambiental possibilitaria que os dispositivos colaborassem para auxiliar as pessoas na realização das atividades, tarefas e rituais que fazem parte de seu dia-a-dia. hoje vive de uma maneira que é natural para eles. À medida que esses gadgets se tornavam mais compactos, mais conectados e mais integrados ao nosso ambiente, a infraestrutura técnica que os suportava desapareceria em nosso ambiente até que apenas a interface do usuário fosse deixada para as pessoas verem. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Inteligência ambiental Capítulo 2: Computação ubíqua Capítulo 3: Conscientização do contexto Capítulo 4: Dispositivo inteligente Capítulo 5: Tecnologia calma Capítulo 6: Ambiente inteligente Capítulo 7: Ambiente inteligente Capítulo 8: Sistemas pervasivos sensíveis ao contexto Capítulo 9: Internet das coisas Capítulo 10: Anind Dey Capítulo 11: AmbieSense Capítulo 12: Objeto inteligente Capítulo 13: Privacidade visual Capítulo 14: Conscientização da localização Capítulo 15: Laboratório vivo Capítulo 16: Consciência contextual espacial Capítulo 17: Escritório de Telecooperação Capítulo 18: Computação em nuvem móvel Capítulo 19: Albrecht Schmidt (cientista da computação) Capítulo 20: Eli Zelkha Capítulo 21: Joëlle Coutaz (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre inteligência ambiental. (III) Exemplos do mundo real para o uso de inteligência ambiente em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para têm uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de inteligência ambiental. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que querem ir além do conhecimento ou informação básica para qualquer tipo de inteligência ambiental.

  • Inteligência Geral Artificial: As máquinas podem eventualmente ser tão inteligentes quanto os humanos, e possivelmente ainda mais inteligentes, mas o jogo ainda está longe de terminar

    4

    Inteligência Geral Artificial: As máquinas podem eventualmente ser tão inteligentes quanto os humanos, e possivelmente ainda mais inteligentes, mas o jogo ainda está longe de terminar
    Inteligência Geral Artificial: As máquinas podem eventualmente ser tão inteligentes quanto os humanos, e possivelmente ainda mais inteligentes, mas o jogo ainda está longe de terminar

    O que é Inteligência Artificial Geral A capacidade de um agente inteligente de compreender ou aprender qualquer trabalho intelectual que possa ser realizado por um ser humano é a definição de inteligência artificial geral, ou AGI. assunto que é frequentemente discutido na ficção científica e estudos do futuro. AGI também é conhecida como IA forte, IA completa ou ação inteligente geral; no entanto, algumas fontes acadêmicas reservam o termo "IA forte" para sistemas de computador que experimentam consciência ou consciência. Outros nomes para AGI incluem ação inteligente geral e IA completa. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Inteligência geral artificial Capítulo 2: Inteligência artificial Capítulo 3: Sala chinesa Capítulo 4: Hugo de Garis Capítulo 5: Singularidade tecnológica Capítulo 6: A Era das Máquinas Espirituais Capítulo 7: carregamento mental Capítulo 8: Inteligência artificial simbólica Capítulo 9: arrumados e desalinhados Capítulo 10: Cérebro artificial Capítulo 11: Sistema de símbolos físicos Capítulo 12: História da inteligência artificial Capítulo 13: Filosofia da inteligência artificial Capítulo 14: inverno de IA Capítulo 15: Resumo da inteligência artificial Capítulo 16: a visão de Hubert Dreyfus sobre inteligência artificial Capítulo 17: Linha do tempo da inteligência artificial Capítulo 18: Como criar uma mente Capítulo 19: Conferência sobre Inteligência Artificial Geral Capítulo 20: Tecnologia hipotética Capítulo 21: GPT-2 (II) Responder às principais perguntas do público sobre inteligência artificial geral. (III) Exemplos do mundo real para o uso de inteligência artificial geral em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de inteligência geral artificial. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de inteligência artificial geral.

  • Rede 6G: Conectando os mundos cibernético e físico

    1

    Rede 6G: Conectando os mundos cibernético e físico
    Rede 6G: Conectando os mundos cibernético e físico

    O que é rede 6G 6G é o padrão de sexta geração para tecnologias de comunicação sem fio que estão sendo desenvolvidas atualmente para habilitar redes de dados celulares. Este padrão é usado no campo das telecomunicações. É o sucessor pretendido do 5G e espera-se que seja um pouco mais rápido que seu antecessor. É provável que as redes 6G sejam redes celulares de banda larga, semelhantes aos seus antecessores. Nesses tipos de redes, a área de serviço é dividida em várias pequenas regiões geográficas conhecidas como células. Houve interesse nas redes 6G mostrado não apenas por várias empresas, mas também por várias nações. Como você se beneficiará (I ) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: 6G (rede) Capítulo 2: Sem fio Capítulo 3: Radiação terahertz Capítulo 4: Frequência extremamente alta Capítulo 5: Rede mesh sem fio Capítulo 6: Sistemas de comunicação veicular Capítulo 7: Rede ad hoc veicular Capítulo 8: Rede ad hoc sem fio Capítulo 9: Ian F. Akyildiz Capítulo 10: Sistema de posicionamento interno Capítulo 11 : Metamaterial Terahertz Capítulo 12: Nanonetwork Capítulo 13: Antena de grafeno Capítulo 14: Lacuna terahertz Capítulo 15: Bernhard Walke Capítulo 16: Stepan Lucyszyn Capítulo 17: plataforma voadora em rede Capítulo 18: fatiamento de rede 5G Capítulo 19: Base aérea estação Capítulo 20: Espaço de Frequência de Tempo Ortogonal Capítulo 21: Ronn y Hadani (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre a rede 6g. (III) Exemplos do mundo real para o uso da rede 6g em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de rede 6G. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento ou da informação básica para qualquer tipo de rede 6G.

  • Transistor De Efeito De Campo De Nanotubos De Carbono: Fazendo a transição da instalação de pesquisa para o chão de produção

    6

    Transistor De Efeito De Campo De Nanotubos De Carbono: Fazendo a transição da instalação de pesquisa para o chão de produção
    Transistor De Efeito De Campo De Nanotubos De Carbono: Fazendo a transição da instalação de pesquisa para o chão de produção

    O que é transistor de efeito de campo de nanotubo de carbono Um transistor de efeito de campo de nanotubo de carbono, também conhecido como CNTFET, é um tipo de transistor de efeito de campo que faz uso de um único nanotubo de carbono ou uma matriz de nanotubos de carbono como material do canal no lugar do silício a granel, como é feito na construção MOSFET convencional. Desde que foram exibidos pela primeira vez em 1998, houve avanços significativos na tecnologia CNTFET. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: transistor de efeito de campo de nanotubo de carbono Capítulo 2: nanotubo de carbono Capítulo 3: JFET Capítulo 4: Barreira Schottky Capítulo 5: Mobilidade eletrônica Capítulo 6: Sistemas nanoeletromecânicos Capítulo 7: Tensão limite Capítulo 8 : Transistor de efeito de campo orgânico Capítulo 9: Condução balística Capítulo 10: Célula solar híbrida Capítulo 11: Aplicações potenciais de nanotubos de carbono Capítulo 12: Nanotubos de carbono em energia fotovoltaica Capítulo 13: Propriedades ópticas de nanotubos de carbono Capítulo 14: Nanomotor de nanotubos de carbono Capítulo 15: NanoIntegris Capítulo 16: Condução balística em nanotubos de carbono de parede simples Capítulo 17: Transistor de efeito de campo de túnel Capítulo 18: Transmissão de efeito de campo sistor Capítulo 19: Nanotubos de carbono em interconexões Capítulo 20: Síntese de nanotubos de carbono Capítulo 21: Matrizes de nanotubos de carbono alinhados verticalmente (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre o transistor de efeito de campo de nanotubos de carbono. (III) Exemplos do mundo real para o uso de transistores de efeito de campo de nanotubos de carbono em muitos campos. ( IV) 17 apêndices para explicar, brevemente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias dos transistores de efeito de campo de nanotubos de carbono. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento ou informação básica para qualquer tipo de transistor de efeito de campo de nanotubos de carbono.

  • Computação De Uso Geral Em Unidades De Processamento Gráfico: Utilizando a Unidade de Processamento Gráfico (GPU) para realizar cálculos que normalmente são realizados pela CPU

    11

    Computação De Uso Geral Em Unidades De Processamento Gráfico: Utilizando a Unidade de Processamento Gráfico (GPU) para realizar cálculos que normalmente são realizados pela CPU
    Computação De Uso Geral Em Unidades De Processamento Gráfico: Utilizando a Unidade de Processamento Gráfico (GPU) para realizar cálculos que normalmente são realizados pela CPU

    O que é computação de uso geral em unidades de processamento gráfico O termo "computação de uso geral em unidades de processamento gráfico" (também conhecido como "computação de uso geral em GPUs" ) refere-se à prática de empregar uma unidade de processamento gráfico (GPU), que normalmente realiza computação apenas para fins de computação gráfica, para realizar computação em programas que normalmente são executados pela unidade central de processamento (CPU). A natureza já paralela do processamento gráfico pode ser paralelizada ainda mais usando várias placas de vídeo em um único computador ou um grande número de processadores gráficos. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Computação de uso geral em unidades de processamento gráfico Capítulo 2: Supercomputador Capítulo 3: Taxonomia de Flynn Capítulo 4: Unidade de processamento gráfico Capítulo 5: Unidade de processamento de física Capítulo 6: Aceleração de hardware Capítulo 7: Processamento de fluxo Capítulo 8: BrookGPU Capítulo 9: CUDA Capítulo 10: Perto do Metal Capítulo 11 : Larrabee (microarquitetura) Capítulo 12: AMD FireStream Capítulo 13: OpenCL Capítulo 14: OptiX Capítulo 15: Fermi (microarquitetura) Capítulo 16: Pascal (microarquitetura) Capítulo 17: Instrução única, vários threads Capítulo 18: DSP multidimensional com aceleração de GPU Capítulo er 19: Kernel de computação Capítulo 20: Acelerador de IA Capítulo 21: ROCm (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre computação de propósito geral em processamento gráfico unidades. (III) Exemplos do mundo real para o uso de computação de propósito geral em unidades de processamento gráfico em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus da computação de uso geral em tecnologias de unidades de processamento gráfico. Para quem é este livro Profissionais, graduandos e estudantes de pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de computação de uso geral em unidades de processamento gráfico.

  • Armazenamento de Dados Digitais de DNA: Salve todos os seus ativos digitais em formato DNA

    8

    Armazenamento de Dados Digitais de DNA: Salve todos os seus ativos digitais em formato DNA
    Armazenamento de Dados Digitais de DNA: Salve todos os seus ativos digitais em formato DNA

    O que é armazenamento de dados digitais de DNA A técnica de armazenamento de informações digitais em DNA envolve a codificação e decodificação de dados binários de e para fitas de DNA produzidas artificialmente. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: armazenamento de dados digitais de DNA Capítulo 2: Par de bases Capítulo 3: Genoma humano Capítulo 4: Genômica Capítulo 5: Sequenciador de DNA Capítulo 6: Análise de sequência Capítulo 7: Síntese de DNA Capítulo 8: Biologia sintética Capítulo 9: Seqüenciamento de DNA Capítulo 10: DNA antigo Capítulo 11: Ewan Birney Capítulo 12: Oncogenômica Capítulo 13: Síntese gênica artificial Capítulo 14: Sequenciamento Sólido ABI Capítulo 15: Sequenciamento do genoma completo Capítulo 16: Seq de RNA Capítulo 17: Arquivo de Nucleotídeos Europeu Capítulo 18: DNA tumoral circulante Capítulo 19: Tecnologias de transcriptômica Capítulo 20: CRAM (formato de arquivo) Capítulo 21: Nick Goldman (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre armazenamento de dados digitais de DNA. (III) Exemplos do mundo real para o uso de armazenamento de dados digitais de DNA em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter um entendimento completo de 360 ​​graus das tecnologias de armazenamento de dados digitais de DNA. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de armazenamento de dados digitais de DNA.

  • Tecnologia Cívica: Como a tecnologia emergente pode ajudar a aproximar a sociedade e o governo?

    7

    Tecnologia Cívica: Como a tecnologia emergente pode ajudar a aproximar a sociedade e o governo?
    Tecnologia Cívica: Como a tecnologia emergente pode ajudar a aproximar a sociedade e o governo?

    O que é tecnologia cívica O termo "tecnologia cívica" refere-se a software que melhora a interação entre as pessoas e o governo, facilitando a comunicação, a tomada de decisões, a prestação de serviços , e o processo político. A tecnologia cívica também é conhecida como "tecnologia cívica". Engloba tecnologia de informação e comunicação que fornece suporte ao governo na forma de software que foi desenvolvido por equipes lideradas pela comunidade compostas por voluntários, organizações sem fins lucrativos, consultores e empresas privadas. Também inclui equipes de tecnologia que trabalham dentro do governo e são conhecidas como equipes de tecnologia incorporadas. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Tecnologia cívica Capítulo 2: governo eletrônico Capítulo 3: E-democracia Capítulo 4: Centro para Democracia e Tecnologia Capítulo 5: Engajamento cívico Capítulo 6: participação eletrônica Capítulo 7: mySociety Capítulo 8: Governo aberto Capítulo 9: Fundação para a política participativa Capítulo 10: Cidadão digital Capítulo 11: Fonte cidadã Capítulo 12: Fundação OpenGov Capítulo 13: Aplicação cívica Capítulo 14: Índia digital Capítulo 15: Pia Mancini Capítulo 16 : Fórum Mundial para a Democracia Capítulo 17: Política e tecnologia Capítulo 18: Empresas de tecnologia cívica Capítulo 19: Brigade Media Capítulo 20: Comparação de plataformas de tecnologia cívica Capítulo 21: Tiago C. Peixoto (II ) Respondendo às principais perguntas do público sobre tecnologia cívica. (III) Exemplos do mundo real para o uso de tecnologia cívica em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, brevemente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de tecnologia cívica. Para quem é este livro Profissionais, graduação e pós-graduação estudantes, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de tecnologia cívica.

  • Exocórtex: O sistema de processamento de informações externas da cibernética do século XXI que aumenta os processos cognitivos do cérebro

    12

    Exocórtex: O sistema de processamento de informações externas da cibernética do século XXI que aumenta os processos cognitivos do cérebro
    Exocórtex: O sistema de processamento de informações externas da cibernética do século XXI que aumenta os processos cognitivos do cérebro

    O que é Exocortex Uma interface cérebro-computador (BCI), que é frequentemente chamada de interface cérebro-máquina (BMI), é um link de comunicação direto entre a atividade elétrica do cérebro e um dispositivo externo, mais frequentemente um computador ou um membro robótico. Os BCIs são frequentemente direcionados a pesquisar, mapear, auxiliar, aumentar ou reparar funções cognitivas ou sensório-motoras humanas. Dependendo da proximidade dos eletrodos ao tecido cerebral, os BCIs podem ser implementados de várias maneiras, variando de não invasivo a um pouco invasivo a invasivo. Como você se beneficiará> (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Interface cérebro?computador Capítulo 2: Neurotecnologia Capítulo 3: BrainGate Capítulo 4: Miguel Nicolelis Capítulo 5: Implante cerebral Capítulo 6: Neuroprótese Capítulo 7 : Animal de controle remoto Capítulo 8: Engenharia neural Capítulo 9: Oscilação neural Capítulo 10: Gravação de unidade única Capítulo 11: Eletrocorticografia Capítulo 12: Onda Mu Capítulo 13: Matriz de microeletrodos Capítulo 14: Eletroencefalografia Capítulo 15: Eletrodo neurotrófico Capítulo 16: Fala imaginada Capítulo 17: Intendix Capítulo 18: Matriz de gravação stent-eletrodo Capítulo 19: Implante cortical Capítulo 20: Cognição e Neuroergo nomics (CaN) Collaborative Technology Alliance Capítulo 21: Poeira neural (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre exocórtex. (III) Exemplos do mundo real para o uso do exocórtex em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias do exocórtex. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de exocórtex. 

  • Realidade Aumentada: É possível que a realidade aumentada tenha sucesso onde a realidade virtual falhou?

    5

    Realidade Aumentada: É possível que a realidade aumentada tenha sucesso onde a realidade virtual falhou?
    Realidade Aumentada: É possível que a realidade aumentada tenha sucesso onde a realidade virtual falhou?

    O que é Realidade Aumentada A realidade aumentada (AR) é uma experiência interativa de um ambiente do mundo real em que os objetos que residem no mundo real são aprimorados por informações perceptivas geradas por computador. Esse aprimoramento às vezes pode ocorrer em várias modalidades sensoriais, incluindo visual, auditiva, háptica, somatossensorial e olfativa. A realidade aumentada (AR) também é conhecida como realidade mista (MR). O termo "realidade aumentada" (AR) refere-se a um sistema que combina mundos reais e virtuais, permite a interação em tempo real e registra com precisão coisas virtuais e reais em três dimensões. A informação que é sobreposta à experiência sensorial pode ser útil ou prejudicial. Essa experiência é tão habilmente integrada ao tecido do mundo real que dá a impressão de ser um componente imersivo do cenário em que está ocorrendo. Em outras palavras, a realidade aumentada modifica a percepção contínua de um indivíduo de um ambiente do mundo real, enquanto a realidade virtual substitui totalmente o ambiente do mundo real de um indivíduo por um simulado. Realidade mista e realidade mediada por computador são semelhantes à realidade aumentada, embora os conceitos tenham se tornado essencialmente sinônimos um do outro. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Realidade aumentada Capítulo 2: Realidade virtual Capítulo 3: Computador vestível Capítulo 4: Realidade mista Capítulo 5: Tela montada na cabeça Capítulo 6: Imersão (realidade virtual) Capítulo 7: Modelo de projeção aumentada Capítulo 8: interação do usuário em 3D Capítulo 9: Aprendizado aprimorado Capítulo 10: Wikitude Capítulo 11: tela de toque virtual Capítulo 12: Nokia Point and Find Capítulo 13: Monitor óptico montado na cabeça Capítulo 14: Tango (plataforma) Capítulo 15: Óculos inteligentes Capítulo 16: Realidade Mista do Windows Capítulo 17: Microsoft HoloLens Capítulo 18: Realidade aumentada industrial Capítulo 19: rastreamento posicional de RV Capítulo 20: Realidade virtual no ensino fundamental Capítulo 21: realidade aumentada comercial (II) Responder às principais perguntas do público sobre realidade aumentada. (III) Exemplos do mundo real para o uso de realidade aumentada em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de realidade aumentada. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de realidade aumentada.

  • Armazenamento De Dados Holográficos: Armazenar informações em mídia tridimensional pela manipulação da luz de vários ângulos

    10

    Armazenamento De Dados Holográficos: Armazenar informações em mídia tridimensional pela manipulação da luz de vários ângulos
    Armazenamento De Dados Holográficos: Armazenar informações em mídia tridimensional pela manipulação da luz de vários ângulos

    O que é armazenamento de dados holográficos O armazenamento de dados holográficos é um campo emergente da tecnologia que tem o potencial de revolucionar o armazenamento de dados de alta capacidade. O armazenamento de dados holográficos registra informações em todo o volume do meio, enquanto os dispositivos de armazenamento de dados magnéticos e ópticos dependem de bits individuais armazenados como alterações magnéticas ou ópticas distintas na superfície do meio de gravação. O armazenamento de dados holográficos também é capaz de gravar várias imagens na mesma área utilizando luz em diferentes ângulos. Como você se beneficiará (I) Insights , e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Armazenamento de dados holográficos Capítulo 2: Microscopia Capítulo 3: Óptica não linear Capítulo 4: Grade de difração Capítulo 5: Holografia Capítulo 6: Diodo laser Capítulo 7: Interferometria Capítulo 8: Lei de Bragg Capítulo 9: Efeito fotorrefrativo Capítulo 10: Sistema de armazenamento de dados holográfico Capítulo 11: Disco versátil holográfico Capítulo 12 : Óptica de raios-X Capítulo 13: Litografia de interferência Capítulo 14: Campo elétrico induzido por fótons Capítulo 15: Holografia gerada por computador Capítulo 16: Armazenamento de dados ópticos 3D Capítulo 17: Holograma de volume Capítulo 18: Exibição holográfica Capítulo 19: Elemento óptico holográfico Capítulo 20: Photoref orgânico materiais ativos Capítulo 21: Física da holografia óptica (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre armazenamento de dados holográficos. (III) Exemplos do mundo real para o uso de armazenamento de dados holográficos em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de armazenamento de dados holográficos. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de holográfico armazenamento de dados.

  • Computação Exascale: A capacidade de realizar um bilhão de bilhões de operações em um único segundo

    9

    Computação Exascale: A capacidade de realizar um bilhão de bilhões de operações em um único segundo
    Computação Exascale: A capacidade de realizar um bilhão de bilhões de operações em um único segundo

    O que é computação em Exascale A computação em Exascale é uma medida da capacidade dos supercomputadores; refere-se a sistemas de computação capazes de calcular pelo menos "1018 operações de precisão dupla IEEE 754 (64 bits) (multiplicações e/ou adições) por segundo (exaFLOP)." Como você Serão beneficiados (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Computação Exascale Capítulo 2: Supercomputador Capítulo 3: FLOPS Capítulo 4: Centro Nacional de Computação Científica da Pesquisa Energética Capítulo 5: TOP500 Capítulo 6: Desempenho por watt Capítulo 7: Green500 Capítulo 8: Computação em petascale Capítulo 9: Lista de computadores mais rápidos Capítulo 10: Processador de muitos núcleos Capítulo 11: Supercomputação na Índia Capítulo 12: Computador K Capítulo 13: Supercomputação no Japão Capítulo 14: Supercomputação na Europa Capítulo 15: Xeon Phi Capítulo 16: Summit (supercomputador) Capítulo 17: Frontier (supercomputador) Capítulo 18: Fugaku (supercomputador) Capítulo 19: Fujitsu A64FX Capítulo 20: Aurora (supercomputador) Capítulo 21: JUWELS (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre computação em exascale. (III) Mundo real exemplos para o uso de computação exascale em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de computação exascale. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de exascale computação.

  • Li-Fi: Rede baseada em luz consistente e de alta velocidade

    13

    Li-Fi: Rede baseada em luz consistente e de alta velocidade
    Li-Fi: Rede baseada em luz consistente e de alta velocidade

    O que é Li-Fi O termo "Li-Fi" refere-se a um tipo de comunicação sem fio que utiliza luz para enviar dados e localização de um dispositivo para outro. Durante uma sessão que ele deu no TEDGlobal em Edimburgo em 2011, Harald Haas foi a primeira pessoa a introduzir a palavra. Como você se beneficiará ( I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Li-Fi Capítulo 2: IEEE 802.15 Capítulo 3: IEEE 802.11 Capítulo 4: Diodo emissor de luz Capítulo 5: Rede sem fio Capítulo 6: Wi-Fi Capítulo 7: Espaço livre comunicação óptica Capítulo 8: Associação de dados infravermelhos Capítulo 9: Camada física Capítulo 10: Sem fio Capítulo 11: Luz visível comunicação Capítulo 12: Rede doméstica Capítulo 13: LVX Capítulo 14: John O'Sullivan (engenheiro) Capítulo 15 : Módulo RF Capítulo 16: Li-Fi Consortium Capítulo 17: Rede de banda larga de Bharat Capítulo 18: IEEE 802.11ah Capítulo 19: Comunicações ópticas sem fio Capítulo 20: Comunicação de LED para LED Capítulo 21: Detecção de WiFi (II) Respondendo ao top público q perguntas sobre li-fi. (III) Exemplos do mundo real para o uso de li-fi em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de li-fi. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que querem ir além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de li-fi.

  • Nanorádio: Anexando minúsculos sensores químicos nos vasos sanguíneos dos diabéticos

    17

    Nanorádio: Anexando minúsculos sensores químicos nos vasos sanguíneos dos diabéticos
    Nanorádio: Anexando minúsculos sensores químicos nos vasos sanguíneos dos diabéticos

    O que é o nanorádio Os nanotubos de carbono são o componente chave de uma nanotecnologia conhecida como nanorádio, que funciona como transmissor e receptor de rádio. Em 2007, pesquisadores que trabalhavam sob a direção de Alex Zettl na Universidade da Califórnia, em Berkeley, conseguiram enviar um sinal de áudio com eficiência usando um dos primeiros nanorádios que eles criaram. Devido ao seu tamanho diminuto, os nanorrádios têm potencial para serem usados ​​em uma ampla variedade de contextos, inclusive como transmissores de rádio no sistema circulatório. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Nanorádio Capítulo 2: Microondas Capítulo 3: Espectro Capítulo 4: Meio de transmissão Capítulo 5: Transmissor Capítulo 6: Onda de rádio Capítulo 7: Frequência muito baixa Capítulo 8: Antena (rádio) Capítulo 9: Propagação de rádio Capítulo 10: Índice de artigos eletrônicos Capítulo 11: Receptor de rádio Capítulo 12: Ressonador Capítulo 13: Modulação de vídeo Capítulo 14: Dispersão incoerente Capítulo 15: Alimentação da antena Capítulo 16: Engenharia de radiofrequência Capítulo 17: Alex Zettl Capítulo 18: Rádio Capítulo 19: Retena óptica Capítulo 20: Nanomotor de nanotubos de carbono Capítulo 21: Antena de grafeno (II) Respondendo ao principais perguntas públicas sobre o nanorádio. (III) Exemplos do mundo real para o uso do nanorádio em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada indústria tenha uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de nanorádio. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores, e aqueles que querem ir além do conhecimento ou informação básica para qualquer tipo de nanorádio.

  • Colaboração Móvel: O local de trabalho do futuro e as perspectivas sobre métodos de trabalho que são móveis e colaborativos

    15

    Colaboração Móvel: O local de trabalho do futuro e as perspectivas sobre métodos de trabalho que são móveis e colaborativos
    Colaboração Móvel: O local de trabalho do futuro e as perspectivas sobre métodos de trabalho que são móveis e colaborativos

    O que é colaboração móvel O método de interação com a ajuda de ativos eletrônicos e software destinado ao uso em lugares distantes é chamado de colaboração móvel. Dispositivos eletrônicos portáteis de última geração oferecem recursos de vídeo, áudio e telestração que podem ser transmitidos através de redes seguras. Isso possibilita que várias partes participem de conferências em tempo real. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre o seguinte tópicos: Capítulo 1: Colaboração móvel Capítulo 2: Sem fio Capítulo 3: Telepresença Capítulo 4: Rede de sensores sem fio Capítulo 5: Rede heterogênea Capítulo 6: Skype for Business Server Capítulo 7: Videotelefonia Capítulo 8: Certificações Cisco Capítulo 9: Máquina para máquina Capítulo 10: H.323 Capítulo 11: Lista de perfis Bluetooth Capítulo 12: Internet de coisas Capítulo 13: Multimídia da Monção Capítulo 14: Comunicações unificadas Capítulo 15: mHealth Capítulo 16: Comunicações da Tata Capítulo 17: Librestream Capítulo 18: Rede de área corporal Capítulo 19: Fuze (empresa) Capítulo 20: Gerenciamento de comunicações unificadas Capítulo 21: Lista de produtos Cisco (II) Respondendo à pergunta principal do público s sobre colaboração móvel. (III) Exemplos do mundo real para o uso de colaboração móvel em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada para que a indústria tenha uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de colaboração móvel. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores , e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de colaboração móvel.

  • Sistemas Biométricos Multimodais Sem Contato: Empregando uma combinação de impressões das veias dos dedos e dos nós dos dedos em conjunto com técnicas de aprendizado profundo

    16

    Sistemas Biométricos Multimodais Sem Contato: Empregando uma combinação de impressões das veias dos dedos e dos nós dos dedos em conjunto com técnicas de aprendizado profundo
    Sistemas Biométricos Multimodais Sem Contato: Empregando uma combinação de impressões das veias dos dedos e dos nós dos dedos em conjunto com técnicas de aprendizado profundo

    O que são sistemas biométricos multimodais sem contato Medições corporais e cálculos matemáticos relacionados a atributos humanos são conhecidos como biometria. No campo da ciência da computação, um método de identificação e controle de acesso que é utilizado é chamado de autenticação biométrica. Além disso, é utilizado para identificar pessoas dentro de grupos que estão sendo monitorados pela equipe de segurança. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Biometria Capítulo 2: Autenticação Capítulo 3: Impressão digital Capítulo 4: Reconhecimento de íris Capítulo 5: Sistema de reconhecimento facial Capítulo 6: Reconhecimento de alto-falante Capítulo 7: Geometria da mão Capítulo 8: Psicologia da senha Capítulo 9: Dinâmica das teclas Capítulo 10: Leitor de cartões Capítulo 11: Biometria nas escolas Capítulo 12: Biometria privada Capítulo 13: Aadhaar Capítulo 14: Correspondência de veias Capítulo 15: Pontos biométricos Capítulo 16: Identificação de comércio eletrônico e tipos de identificação Capítulo 17: ataque smudge Capítulo 18: Países que aplicam biometria Capítulo 19: segurança baseada em identidade Capítulo 20: biometria dispositivo Capítulo 21: Tecnologia de substituição de identidade (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre sistemas biométricos multimodais sem contato. (III) Exemplos do mundo real para o uso de sistemas biométricos multimodais sem contato em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de sistemas biométricos multimodais sem contato. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou da informação para qualquer tipo de sistema biométrico multimodal sem contato.

  • Reconhecimento De Fala: Como o reconhecimento de fala vai causar disrupção

    26

    Reconhecimento De Fala: Como o reconhecimento de fala vai causar disrupção
    Reconhecimento De Fala: Como o reconhecimento de fala vai causar disrupção

    O que é reconhecimento de fala A ciência da computação e a linguística computacional geraram um subcampo conhecido como reconhecimento de fala, que é um campo interdisciplinar que se concentra no desenvolvimento de metodologias e tecnologias que permitem que os computadores reconheçam e traduzam a linguagem falada em texto. A principal vantagem disso é que o texto pode ser pesquisado. Reconhecimento automático de fala, às vezes abreviado como ASR, é outro nome para isso, assim como reconhecimento de fala por computador e voz para texto (STT). Os domínios da ciência da computação, linguística e engenharia da computação são todos representados em sua incorporação de conhecimento e estudo. A síntese de fala é o processo de fazer as coisas ao contrário. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Reconhecimento de fala Capítulo 2: Linguística computacional Capítulo 3: Processamento de linguagem natural Capítulo 4: Processamento de fala Capítulo 5: Síntese de fala Capítulo 6: quantização vetorial Capítulo 7: Reconhecimento de padrões Capítulo 8: Lawrence Rabiner Capítulo 9: Rede neural recorrente Capítulo 10: Julius (software) Capítulo 11: Memória de curto prazo longa Capítulo 12: Rede neural de atraso de tempo Capítulo 13: Tipos de redes neurais artificiais Capítulo 14: Aprendizado profundo Capítulo 15: Nelson Morgan Capítulo 16: Sinsy Capítulo 17: Resumo do aprendizado de máquina Capítulo 18: Steve Young (acadêmico) Capítulo 19: Tony Robinson (reconhecimento de fala) Capítulo 20: Computação por voz Capítulo 21: Joseph Keshet (II) Resposta as principais perguntas do público sobre o reconhecimento de fala. (III) Exemplos do mundo real para o uso do reconhecimento de fala em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, resumidamente, 266 emergentes tecnologias em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de reconhecimento de fala. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que desejam ir além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de reconhecimento de fala.

  • Visão De Máquina: Permitir que os computadores obtenham informações significativas de imagens digitais, vídeos e entradas visuais

    14

    Visão De Máquina: Permitir que os computadores obtenham informações significativas de imagens digitais, vídeos e entradas visuais
    Visão De Máquina: Permitir que os computadores obtenham informações significativas de imagens digitais, vídeos e entradas visuais

    O que é visão de máquina Visão de máquina (MV) refere-se tanto à tecnologia quanto às metodologias usadas para fornecer inspeção e análise automatizadas baseadas em imagens para aplicativos como inspeção automática, controle de processo e orientação de robô, que são frequentemente utilizados em ambientes industriais. Visão de máquina é um termo abrangente que engloba uma ampla variedade de tecnologias, produtos de software e hardware, sistemas integrados, atividades, abordagens e conhecimentos. A visão computacional, que é um subcampo da ciência da computação, e a visão de máquina, que é um assunto de engenharia de sistemas, podem ser diferenciadas uma da outra. Ela faz um esforço para combinar a tecnologia já existente de maneiras novas e usá-las no processo de encontrar soluções para problemas que ocorrem no mundo real. Este é o nome mais utilizado para essas atividades em situações que envolvem automação industrial; no entanto, também é usado para essas funções em outros ambientes, incluindo aqueles que envolvem orientação de veículos. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Visão de máquina Capítulo 2: Visão computacional Capítulo 3: Termografia Capítulo 4 : Reconhecimento de gestos Capítulo 5: Câmera inteligente Capítulo 6: Glossário de visão de máquina Capítulo 7: Esquema de visão computacional Capítulo 8: InspecVision Capítulo 9: Esquema do reconhecimento de objetos Capítulo 10: Visão ativa Capítulo 11: Scanner 3D de luz estruturada Capítulo 12: Servo visual Capítulo 13: Odometria visual Capítulo 14: Sistemas robóticos guiados por visão Capítulo 15: Visualização estéreo 3D Capítulo 16: Mikrotron-GmbH Capítulo 17: Air-Cobot Capítulo 18: Visão objetiva Capítulo 19: Visão egocêntrica Capítulo 20: Zivid Capítulo 21: Rita Cucchiara (II) Respondendo ao público principais perguntas sobre visão de máquina. (III) Exemplos do mundo real para o uso de visão de máquina em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, brevemente, 266 tecnologias emergentes em cada setor tenha uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de visão de máquina. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, amadores e aqueles que querem ir além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de visão de máquina.

  • Criptografia Quântica: As superpotências do mundo estão engajadas em uma corrida para desenvolver armas quânticas, o que alteraria fundamentalmente a natureza do conflito

    21

    Criptografia Quântica: As superpotências do mundo estão engajadas em uma corrida para desenvolver armas quânticas, o que alteraria fundamentalmente a natureza do conflito
    Criptografia Quântica: As superpotências do mundo estão engajadas em uma corrida para desenvolver armas quânticas, o que alteraria fundamentalmente a natureza do conflito

    O que é criptografia quântica Utilizar recursos da mecânica quântica para realizar operações criptográficas é o campo de estudo conhecido como criptografia quântica. A aplicação mais conhecida da criptografia quântica é a distribuição de chaves quânticas, que fornece uma solução segura, do ponto de vista da teoria da informação, para a questão da troca de chaves. O benefício da criptografia quântica reside no fato de que ela permite a conclusão bem-sucedida de uma variedade de tarefas criptográficas que foram demonstradas ou conjecturadas como impossíveis usando apenas a comunicação clássica. Essas tarefas incluem descriptografar mensagens que foram criptografadas usando uma chave que foi roubada. Não é viável, por exemplo, duplicar dados que foram codificados em um estado quântico. Se alguém fizer um esforço para ler os dados codificados, o estado quântico será alterado como resultado do colapso da função de onda. Na distribuição de chaves quânticas, isso pode ser usado para identificar escutas em conversas (QKD). Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Criptografia quântica Capítulo 2: Teletransporte quântico Capítulo 3: Emaranhamento quântico Capítulo 4 : Distribuição de chaves quânticas Capítulo 5: Rede quântica Capítulo 6: John Rarity Capítulo 7: BB84 Capítulo 8: Tempo Codificação -bin Capítulo 9: Clonagem quântica Capítulo 10: Não localidade quântica Capítulo 11: Computador quântico unidirecional Capítulo 12: SARG04 Capítulo 13: Modelo de armazenamento barulhento Capítulo 14: Estado chamariz Capítulo 15: Nicolas J. Cerf Capítulo 16: Desacoplamento dinâmico Capítulo 17: Criptografia quântica independente de dispositivo Capítulo 18: Protocolo de seis estados Capítulo 19: Informações quânticas de variável contínua Capítulo 20: Criptografia quântica relativística Capítulo 21: Adrian Kent (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre criptografia quântica. (III) Exemplos do mundo real para o uso de criptografia quântica em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar , resumidamente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter uma compreensão completa de 360 ​​graus das tecnologias de criptografia quântica. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam ir além do conhecimento ou informação básica para qualquer tipo de criptografia quântica.

  • Computação Óptica: Processadores fotônicos revolucionam o aprendizado de máquina e prometem velocidades de cálculo extremamente rápidas com demandas de energia muito menores

    19

    Computação Óptica: Processadores fotônicos revolucionam o aprendizado de máquina e prometem velocidades de cálculo extremamente rápidas com demandas de energia muito menores
    Computação Óptica: Processadores fotônicos revolucionam o aprendizado de máquina e prometem velocidades de cálculo extremamente rápidas com demandas de energia muito menores

    O que é computação óptica Na computação óptica, também conhecida como computação fotônica, as ondas de luz geradas por lasers ou outras fontes incoerentes são usadas para realizar tarefas de computador, como processamento de dados , armazenamento de dados ou transferência de dados. Os fótons têm demonstrado seu potencial há algumas décadas para oferecer uma largura de banda maior do que os elétrons empregados em computadores tradicionais. Como você se beneficiará (I) Insights e validações sobre os seguintes tópicos: Capítulo 1: Computação óptica Capítulo 2: Computação Capítulo 3: Computação quântica Capítulo 4: Linha do tempo da computação e comunicação quântica Capítulo 5: Cristal fotônico Capítulo 6: Algoritmo quântico Capítulo 7: Rede quântica Capítulo 8: Shlomi Dolev Capítulo 9: Laser de fibra Capítulo 10: Gargalo de interconexão Capítulo 11: Circuito integrado fotônico Capítulo 12: Fotônica de silício Capítulo 13: Holografia gerada por computador Capítulo 14: Fibra óptica com diâmetro de sub-comprimento de onda Capítulo 15: Óptica transistor Capítulo 16: Multiplexação do momento angular orbital Capítulo 17: Molécula fotônica Capítulo 18: Computação quântica óptica linear Capítulo ter 19: Fotônica quântica integrada Capítulo 20: JCMsuite Capítulo 21: Memória quântica (II) Respondendo às principais perguntas do público sobre computação óptica. (III) Exemplos do mundo real para o uso de computação óptica em muitos campos. (IV) 17 apêndices para explicar, brevemente, 266 tecnologias emergentes em cada setor para ter 360 graus completos compreensão das tecnologias de computação óptica. Para quem é este livro Profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, entusiastas, hobistas e aqueles que desejam além do conhecimento básico ou informações para qualquer tipo de computação óptica.

  • Engenharia Neuromórfica: A prática de usar sistemas de circuitos analógicos elétricos para imitar estruturas neurobiológicas que estão presentes no sistema nervoso

    18

    Engenharia Neuromórfica: A prática de usar sistemas de circuitos analógicos elétricos para imitar estruturas neurobiológicas que estão presentes no sistema nervoso
    Engenharia Neuromórfica: A prática de usar sistemas de circuitos analógicos elétricos para imitar estruturas neurobiológicas que estão presentes no sistema nervoso

    O que é engenharia neuromórfica Computação neuromórfica e engenharia neuromórfica são termos que se referem à mesma coisa: o uso de sistemas de integração em grande escala (VLSI) que incorporar circuitos analógicos elétricos para simular estruturas neurobiológicas que são encontradas no sistema nervoso. Qualquer dispositivo eletrônico que faça cálculos com a ajuda de neurônios artificiais implementados como estruturas físicas é chamado de computador ou chip neuromórfico. Recentemente, a palavra "neuromórfico" tem sido usada para se referir a VLSI analógico/digital de modo misto e sistemas de software que incorporam modelos de sistemas cerebrais. Este uso do termo tornou-se mais comum. Para atualizar a implementação da computação neuromórfica no nível do hardware, memristores baseados em óxido, memória spintrônica, interruptores de limiar e transistores são alguns dos componentes que podem ser usados. O treinamento de sistemas neuromórficos baseados em software de redes n