Discover millions of ebooks, audiobooks, and so much more with a free trial

Only $11.99/month after trial. Cancel anytime.

Os Dragões Que Nos Separam
Os Dragões Que Nos Separam
Os Dragões Que Nos Separam
Ebook99 pages41 minutes

Os Dragões Que Nos Separam

Rating: 0 out of 5 stars

()

Read preview

About this ebook

26º livro de Poesia publicado pelo autor no Clube de Autores, juntando-se a: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS 2. PÁSSARO APEDREJADO 3. CABRÁLIA 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI 5. SOB O OLHAR DE NETUNO 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE 9. EROTIQUE 10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ 11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE 12. EROTIQUE 2 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA 15. “SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA”) 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU 17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE 18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ? 19. OS TRAÇOS DE VOCÊ 20. STRADIVARIUS 21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR 22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS 23. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI 24. EROTIQUE 3 25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO. À disposição no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa ou digital. Este livro, a exemplo dos anteriores – à exceção de “SIMÉTRICAS”, que tem 200 poemas , e EROTIQUE 3 , que tem 60 -, contém 50 poemas, sendo a maioria deles profundamente líricos e românticos de cortar o coração, de fazer sonhar, ou de pura nostalgia, marcas registradas do autor. Algumas amostras: “Para te contar de minhas doces ilusões, / Preciso invadir o castelo onde moras, / Mas como ludibriar os sinistros dragões / Que te vigiam em todas as horas?” “O vento não para / De me soprar Poesia / Que lindos versos ele prepara / Nessa noite tão fria” “Pedaços de mim foram espalhados / Nas ruas mágicas por onde nosso amor passou, / E depois do fim ficaram relegados / Às lembranças trágicas que você me legou...” “Enquanto a devassidão mostra suas garras, / Nessa madrugada sangrenta e tão densa, / Docemente me beijas e me agarras, / Em nossa cama aconchegante e imensa...” “Sem uma palavra, eu te abraço bem forte, / E vejo que me apertas ainda mais, / Não dizes nada, e nem precisavas, / Tanta tristeza não há quem suporte, / A saudade às vezes dói demais, / Como resistir ao retorno de quem amavas?” “Por que essa lágrima presa em teu olhar, / Que teima em não se desprender / E se recusa a suavemente escorrer, / Para tua infinita tristeza não revelar?” “Por que você não me cala / Com um beijo faminto como uma bala? / Por que você não me cura / Dessa minha insaciável loucura?” “Em teus olhos desesperados eu vejo / A solidão, onde antes morava o desejo. / Quando foi que eu te esqueci, / Mesmo se estás ao meu lado? / Quando foi que te perdi / E te deixei presa ao passado?” “Carros passam voando pelas avenidas, / Levantando folhas, flores e vidas, / Levando junto com eles suas histórias, / Lembranças caóticas e transitórias,” “Foi por uma noite somente / O pouco amor que me deste / Mas que lembrarei eternamente / Enquanto vida me reste” “A prima Vera avisou que está para chegar, / Mas mediu para não me preocupar, / Pois ficará semente por três meses, / Defunto com seus irmãos siameses, / O invento, o frescor e as flores, / Enchendo o Raimundo de cores, / E espelhando por aí a alegria, / Os risos, os bisonhos e a fantasia” “Todo solitário tem uma paixão secreta, / Que veio e partiu sem deixar endereço, / Deixando de herança essa dor indiscreta, / Da qual o coração partido é o preço!” “Eu vi, senhor viajante, e nunca mais me esquecerei / Daquele dia amaldiçoado em que dois demônios se cruzaram, / E o demônio mais antigo venceu a batalha...” “Esta palavra está presente, profana, / Onde quer que haja verba pública, / Lá está ela, a reinar soberana, / É o maior bastião da República!” “Você passa e nem me olha / Estou ali mas você nem percebe / Nem vê a lágrima que minha face molha / Por quem não merece o vinho que bebe” “Entre teus braços de pedra / Entre os quais não medra / Nenhuma ternura por mim / E entre teus dentes de marfim / Juro que vi presas pontiagudas / Que em meu pescoço estudas / Cravar sem qualquer compaixão / Enquanto por ti morro de paixão” “Foi por você que jog
LanguagePortuguês
Release dateOct 7, 2017
Os Dragões Que Nos Separam

Read more from Marcos Avelino Martins

Related to Os Dragões Que Nos Separam

Related ebooks