Discover millions of ebooks, audiobooks, and so much more with a free trial

Only $11.99/month after trial. Cancel anytime.

Defeito: O Inimigo Da Qualidade Classe A
Defeito: O Inimigo Da Qualidade Classe A
Defeito: O Inimigo Da Qualidade Classe A
Ebook92 pages1 hour

Defeito: O Inimigo Da Qualidade Classe A

Rating: 0 out of 5 stars

()

Read preview

About this ebook

Explorar é intrometer-se em busca de revelações. É ser um “pentelhão” nos enigmas e nos mistérios. Não se trata de ser um bisbilhoteiro ou fofoqueiro da fenomenologia, muito embora o voyerismo científico termine virando, em grande parte, de suas vezes, curiosidades sem objetividade investigativa. E sem proveito algum mais nobre a não ser ter uma idéia de como algumas coisas acontecem. A análise exploratória da qualidade, com base no raciocínio estatístico, tem como objetivo buscar variações, relações e tendências. Os dados e fatos são as matérias-primas da análise exploratória (Investigação Científica). No Raciocínio Estatístico, segundo os Profºs Hitoshi Kume e Fujita (JUSE – AOTS – Japão / 1991), ao se analisar um grupamento de dados, temos por finalidade: • Fazer a abordagem científica dos fenômenos (fatos). • Detectar leis que possam ser enunciadas dos fatos. • Constatar variações e relações entre fatores e resultados. • Estabelecer o padrão estatístico, isto é, o comportamento normal e anormal. • Aceitar aproximação em lugar de exatidão. • Prever ou estimar situações e/ou tendências. Diversas curiosidades estatísticas poderão ser descobertas, tais como; (1) Tempo relativo; (2) Esforços comparativos; (3) Jogo de hipóteses; (4) Perdas estimadas, etc. As curiosidades estatísticas são informações que poderão ser relevantes ou meras curiosidades sobre o fenômeno ou a atividade em foco. Toda afirmação suportada por dados estatísticos é uma afirmação científica, mesmo que por mera curiosidade. Os administradores e engenheiros japoneses são mestres em fazer análises exploratórias da qualidade, de modo a caracterizar o paradigma praticado no gerenciamento deles, nos processos que controlam. Isto é uma boa orientação para qualquer empresa. A metodologia de fabricação de produtos sofre dois tipos de análise: (1) análise de qualidade e (2) análise de processo. Ambos permitem que a gestão da Qualidade Total, por exemplo, empreenda a solução sistemática de problemas, numa ordem prioritária relevante, respeitando as considerações da Política da Qualidade Empresarial. Mesmo que efetuando especulações estamos forçando o rompimento do imobilismo e do condicionamento do paradigma empresarial em vigor. Não deixa de ser a implementação de uma heurística saudável e construtiva. Fazer críticas é um bom caminho. Mas, essas críticas devem ser absorvidas com desprendimento, no entendimento de sua relevância ou insignificância. Tendo “reprisado” alguns conceitos da Qualidade Total no contexto anterior de nossas vivências, em artigos que publicamos neste site, devemos usar a ação estatística exploratória para divisar o real paradigma que domina as práticas operacionais e funcionais em nossa empresa, em nosso departamento. E devemos aprender a fazer uma ANÁLISE DOS DADOS de todos os processos e procedimentos que ocorrem na empresa. Os dados usados que viermos a usar nas tabelas resumidas enumeradas que tabulamos devem ser tirados dos sistemas processadores de dados, da rotina empresarial sofrendo um tratamento estatístico para “fins de exploração”. Essa prática poderá ser utilizada por todos os setores da empresa, em busca das considerações de Kume e de Fujita - As curiosidades estatísticas das atividades e dos processos. As ferramentas estatísticas são muito simples e estão entre as 7 ferramentas do Controle Estatístico da Qualidade - CEQ. Temos para manter a empresa sobrevivente que fazer a confrontação das ocorrências internas da Qualidade com as ocorrências externas da mesma nos clientes. As curiosidades são muitas, ainda mais levando em consideração que o controle interno da qualidade, da empresa, lida com a macro-dimensão desse controle, enquanto que nos clientes, um lote interno de produção (da empresa) é individualizado em vários clientes, em frações mínimas do tempo do processamento na nossa fábrica, por exemplo. Isso significa que os clientes lidam com a micro-
LanguagePortuguês
Release dateMay 23, 2013
Defeito: O Inimigo Da Qualidade Classe A

Read more from Lewton Burity Verri

Related to Defeito

Related ebooks