Discover millions of ebooks, audiobooks, and so much more with a free trial

Only $11.99/month after trial. Cancel anytime.

Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos
Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos
Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos
Ebook112 pages2 hours

Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos

Rating: 0 out of 5 stars

()

Read preview

About this ebook

Antes de se tecer uma previsão sobre o “modus operandi” da tecnologia e da QUALIDADE a serem aplicadas no século 21, e suas plataformas operacionais, será preciso que estipulemos as suas características, que devem corresponder às atuais buscas por maneiras ambientalmente seguras ao planeta e sua eco-geo-bio-diversidade, bem como a sua utilidade social e econômica, em produtividade, qualidade e funcionalidade. As principais características que são buscadas para serem operacionalizadas, em novos projetos da industrialização, são aquelas tais que ainda não são consenso entre os financiadores, investidores e projetistas de instalações fabris, de bens de capital, bens duráveis e bens de consumo. Isto porque uma das maiores evidências de que tais características não são consensos, ainda, são os parcos investimentos em operações com alto padrão de qualidade, a ausência de diretivas para o ensino de disciplinas relacionadas às concepções qualitativas, ausência de diretrizes para a administração da tecnologia e de sua qualidade, com segurança técnica e responsabilidade humanista e socioeconômica. Não importando o modo das instalações, suas padronizações funcionais e arquitetônicas, a industrialização e seus projetos terão que aglutinar certas características operacionais em seus processos e procedimentos, para adquirirem uma utilidade ambiental e produtiva, sob as linhas mestres da sustentabilidade. As características operacionais para o século 21 poderão ser as seguintes: (a) Limpa – não poluente/sob rigoroso controle ambiental, sem emissão de gases nocivos, sem despejos impactantes ao ambiente, sem desperdícios de materiais, de esforços, de investimentos, de energia, com a utilização de materiais e insumos reciclantes e com notável capacidade de degradabilidade em seus locais de despejos. (b) Humana – automação e informatização para “eliminar” trabalhos lesivos / insalubres, resguardando a saúde humana e ambiental, conferindo maior segurança nas operações e menores riscos de acidentes, erros, falhas, omissões, defeitos, oferecendo muito maior segurança na obtenção dos resultados planejados; (c) Útil – eficiente sem perdas/desperdícios, minimizando as possibilidades de prejuízos relacionados a perdas de tempo, de materiais, de energia, da má qualidade operacional, de projeto da qualidade e de deficiências em seu controle de produção, qualidade e economia. (d) Econômica – custos otimizados, em todos os sentidos tanto na administração da sua produção e na obtenção da boa qualidade, quanto na administração do seu sistema de controle da qualidade ambiental, sempre maximizando a sustentabilidade; (e) Reciclante – utiliza grandes frações de materiais reciclados – matérias primas e insumos, procurando obter estes recursos para até 80% da necessidade de materiais e insumos para os seus processos primários de beneficiamento e de transformações, minimizando a utilização de tais recursos diretamente de minas, minerações e de atividades extrativas; (f) Produtora de Recicláveis - de fácil “desmonte” ou “desmanche”, em instalações específicas – Linhas de Desmontagens, sob a égide da logística reversa, e que se dedique a contribuir com os processos de tratamento de materiais recicláveis de sua origem industrial e fabril, junto a grupos cooperativos comunitários e de micro-empreendedores. E como poderíamos identificar a operacionalidade de indústrias e de novos projetos industriais sob o conceito de tecnologia positiva do capitalismo no século 21? Através do seu Plano de Desempenho Industrial da QUALIDADE e da PRODUTIVIDADE, com indicadores administrativos da produção, da qualidade e da sua economia fabril, tais como: 1. Defeito nos produtos ou Vício de fabricação Zero; 2. Parada de equipamento ou Quebra de ferramental Zero; 3. Acidente com ferimentos ou Morte Zero; 4. Desperdício de materiais, tempo, esforços humanos, recursos ambientais ou Perda Zero; 5. Doença por insalubridades de operações e funções o
LanguagePortuguês
Release dateMay 12, 2013
Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos

Read more from Lewton Burity Verri

Related to Da Qualidade Nuclear Para Os Sistemas Autogeridos

Related ebooks